Hidrocortisona: O que é, para que serve, tipos, indicações e contraindicações


A hidrocortisona é um medicamento do grupo dos corticosteróides. Tem ação antiinflamatória e imunossupressora. É indicada para casos de doenças inflamatórias e alérgicas. Ajuda a inibir a dor e o inchaço que são provocados pro esses problemas.

Ela pode ser encontrada tanto em creme, que é mais utilizada para inflamações e alergias na pele, como também injetável – nesse caso só pode ser manipulada por profissionais especializados, e utilizada em situações de problemas glandulares, ou reumatismos, inflamação nos olhos, alergias, doenças respiratórias e até mesmo esclerose múltipla.

A hidrocortisona trabalha diretamente na melhora do estado clínico geral do paciente, inibindo os sintomas causados pela doença em tratamento. Após a sua utilização correta, a maioria dos pacientes demonstra melhoras significativas.

A importância da consulta médica

Como ajuda em problemas considerados simples, a hidrocortisona muitas vezes é adquirida e utilizada por conta própria, de qualquer maneira. Isso é muito arriscado.

Como qualquer outro medicamento, a utilização incorreta dessa substância pode não só agravar o problema já existente, como prejudicar o organismo do paciente.

O que separa um medicamento de um veneno é somente a dosagem utilizada. Quando não somos aconselhados por pessoas especializadas na área, estamos nos arriscando a um auto envenenamento.


Por mais superficial ou simples que o seu problema possa parecer, procurar ajuda médica é essencial. Só ele poderá investigar e diagnosticar a causa do problema e passar o tratamento mais adequado.

Irá te aconselhar sobre a forma do hidrocortisona mais eficiente para o seu caso, o período de utilização e a dosagem segura e eficiente para que haja a melhora efetiva do quadro.

Quando deve ser utilizada?

A hidrocortisona auxiliar em diversos problemas, separamos alguns deles que são mais comuns.

Distúrbios endócrinos

Em casos de hiperplasia adrenal congênita, tireoidite não supurativa, hipercalcemia que está associada ao câncer. Em casos de choque não responsivo, quando há suspeita de insuficiência adrenocortical.

É recomendado antes de cirurgias, ou em situações de doença grave ou traumas fortes, nos pacientes com insuficiência supra-renal.

Também é utilizada para o tratamento de insuficiência adrenocortical aguda e insuficiência adrenocortical primária ou secundária.

Doenças dermatológicas

Contra vários tipos de dermatite (seborreica grave, esfoliativa e herpetiforme bolhosa), micose originada por fungo, psoríase grave e pênfigo.

Distúrbios alérgicos

A hidrocortisona ajuda a controlar condições graves de alergias, como a asma brônquica, dermatite atópica e de contato, rinite, reações de hipersensibilidade à droga, edema agudo não infeccioso na laringe e doença do soro.

Doenças no colágeno

Pode ser utilizada como terapia em pacientes com lúpus, cardite reumática aguda e dermatomiosite sistêmica.

Doenças gastrintestinais

Indicada para auxiliar no tratamento de um período crítico de pacientes que tenham colite ulcerativa e enterite regional.

Estados Edematosos

Nesses casos a hidrocortisona é utilizada para induzir a diurese ou a remissão de proteinúria na síndrome nefrótica.

Emergências médicas

Pode ser utilizado tanto em caso de choque secundário à insuficiência adrenocortical, quanto em casos de distúrbios agudos provocados por alergias. Em casos de choque hemorrágico, traumático ou cirúrgico.

No caso de Miscelânea

Eficaz para a meningite tuberculosa com bloqueio subaracnóideo. Também pode ser utilizada junto com o tratamento quimioterápico antituberculose apropriado.

Doenças Neoplásticas

Colabora em um tratamento paliativo em casos de linfomas e leucemias e adultos e quando há leucemia aguda em crianças.

Distúrbios Hematológicos

Contra Anemia hipoplástica congênita, trombocitopenia secundária em adultos, anemia hemolítica auto-imune e púrpura trombocitopênica idiopática em adultos.

Problemas respiratórios

No caso de tuberculose pulmonar fulminante, beriliose, sarcoidose e síndrome de Loeffler.

Doenças oftalmológicas

Para todos os processos inflamatórios e alérgicos crônicos e agudos graves que envolvam os olhos, podendo ser: irite, cório-retinite, neurite óptica, inflamação do segmento anterior, conjuntivite alérgica, úlceras alérgicas marginais da córnea e/ou Herpes zoster oftálmico.

Efeitos colaterais da hidrocortisona

hidrocortisona

Assim como a maioria dos medicamentos comercializados, a hidrocortisona também possui efeitos colaterais que podem ser desagradáveis e causar incômodos.

Em algumas situações, o medicamento poderá causar coceira na pele, sede excessiva, tontura, dor de cabeça, fraqueza muscular, aumento de peso, aumento de produção de suor e inchaço das pernas.

De acordo com algumas pesquisas, o uso da hidrocortisona durante a gravidez pode causar fissuras labiais em recém nascidos.

No uso da hidrocortisona em creme, por exemplo, os efeitos são variados. Pode haver atrofia da pele, estrias, quadros acneiformes, telangiectasias e/ou efeitos nos sistemas do organismo por causa da absorção do corticoide. Ardores, formação de bolhas e vermelhidão, também podem ocorrer.

Contra indicações

A primeira e mais importante é a de não fazer uso da hidrocortisona por conta própria. Já falamos aqui, mas vale ressaltar: procure um médico! Outro fator importante e que deve ser considerado é que pessoas alérgicas a hidrocortisona ou a outros componentes da solução não devem fazer uso dela.

Em casos de pacientes com infecção fúngica ou sistêmica, o remédio também deve ser evitado. No caso da hidrocortisona creme, é essencial que pacientes com processos decorrentes de tuberculoso ou sífilis na área tratada não a utilizem.

Portadores de doenças causadas por vírus, dermatite perioral, rosácea, também devem evitar o uso do medicamento.

Ele também não deve ser manipulado por um longo período, essa ingestão e utilização do remédio por muito tempo pode colaborar nos processos de efeitos colaterais.

O uso deste medicamento em crianças e em mulheres grávidas precisa ser considerado por um especialista, já que existem alguns efeitos colaterais e riscos que podem surgir nesse caso. O médico precisará deixar o paciente ciente dos efeitos que o uso da hidrocortisona pode causar no organismo.

O que fazer em caso de superdosagem?

Estudos e pesquisas feitas não constataram nenhum perigo significativo em uma dosagem excessiva de hidrocortisona. No entanto, é muito importante que após a superdosagem o paciente fique em observação caso apareça algum sintoma.

Caso haja o aparecimento de qualquer sinal, o paciente deverá ser encaminhado imediatamente para um atendimento hospitalar de emergência, portanto o medicamento utilizado e sabendo informar o horário do consumo e a quantidade ingerida ou manipulada.

Mesmo com nenhuma certificação de males causados pela superdosagem de hidrocortisona, é importante ficar atento.


Gostou desse artigo? Dê seu voto!

Péssimo! Não gostei de nada!Ruim!Gostei, ta na média!Muito bom!Excelente! (57 votes, average: 4,39 out of 5)
Loading...