Litíase renal: Tipos, sintomas e tratamentos


A litíase renal ou a famosa pedra nos rins é um dos problemas que mais podem causar dor no ser humano. Durante o nosso texto nós vamos explicar o que de fato é essa enfermidade, qual a sua causa, quais são os sintomas aparentes e como é possível fazer o seu tratamento.

A litíase renal é a formação de uma massa resistente de pequenos cristais que se alojam não só nos rins como em qualquer outro órgão do trato urinário, por isso o nome pedra nos rins. Essa massa se assemelha mesmo com pedras e nem sempre é fácil de dissolver.

Tipos da litíase renal

A litíase renal é dividida em 4 tipos que tem características e formação diferentes, observe:

Litíase renal de estruvita

É mais em comum em mulheres que tem problemas de infecção urinária. Esse tipo de pedra pode ter um crescimento acelerado e acabar por bloquear a bexiga, o rim ou o ureter.

Litíase renal de cistina

Costuma aparecer em portadores da cistinúria, que é uma enfermidade renal hereditária que costuma passar de pai para filho e é comum tanto em homens quanto em mulheres.

Litíase renal de cálcio

É o tipo mais comum e ocorre na faixa etária de 20 a 30 anos. É quando o cálcio se mistura com outra substância e acaba criando mesmo uma pedra que fica em algum órgão do trato urinário.


Mesmo depois de tratamento é provável que o problema volte a aparecer. Distúrbios do metabolismo e dietas ricas em vitamina D podem favorecer o aparecimento deste tipo de litíase renal.

Litíase renal de ácido úrico

É formada principalmente em pacientes que possuem problema de ácido úrico alto. Representa 7% dos problemas de litíase e são mais comuns nos homens.

Como se forma a litíase renal?

Litíase renal

A formação da litíase renal acontece quando não há água suficiente na urina para dissolver os sais que estão presentes nela, o que faz com que estes voltem para sua forma sólida e fiquem “presos” nas vias urinárias.

Se esse processo continuar a expectativa é que esses sais formados comecem a se aglomerar em grande quantidade e se tornem as famosas pedras nos rins.

Como mencionamos o problema é causado porque não há água suficiente para dissolver os sais, isso acontece ou porque tem pouca água mesmo ou porque a quantidade de sair está realmente muito alta.

Em alguns casos o problema é só a falta de consumo de líquido suficiente, mas em outros o problema aparece mesmo para quem bebe bastante água. Isso significa que a quantidade de cálcio presente na urina é muito elevado e que mesmo com muita água não dá para dissolver.

Sintomas da litíase renal

Existem situações onde o paciente tem pedra no rim e não sabe, acaba descobrindo ao fazer um exame de rotina. Isso acontece quando a pedra é pequena, menor do que 3 milímetros. Ela pode ficar alojada em um órgão ou percorrer todo o trato urinário até ser expelida e não será notado.

Esse é praticamente um caso de sorte, porque quanto a litíase renal provoca pedras que tenham pelo menos 4 mm, os sintomas são muito dolorosos. Quando a pedra fica presa em algum lugar do ureter ela não só causa obstrução do sistema urinário como produz a famosa e temida cólica renal.

Muitos médicos costumam dizer que essa é a pior dor que um paciente pode sentir na vida. Pessoas que já passaram por essa experiência relatam com agonia a força dessa dor.

Diferente de outras cólicas, a cólica causada pela litíase renal não diminui independente de posição que se faça. Ela dói muito e o tempo inteiro, independente do que é feito. Não há posição de alívio, é uma agonia torturadora.

Ela costuma ter três períodos:

  1. Quando a dor vem subitamente e atinge o pico em 1 ou 2 horas
  2. Depois de atingir o ápice a dor continua por mais 4 horas
  3. Após esse período ela costuma ir aliviando, até desaparecer por completo em até 2 horas.

Caso o paciente não procure ajuda médica esse processo pode ocorrer por mais de 12 horas. A dor pode passar para a perna, testículos, grandes lábios, região pélvica e ainda causar ardência ao urinar.

As pedras maiores de 0,5 cm são difíceis de saírem pela urina, mas se conseguirem causam uma dor enorme. As que são maiores que 0,9 centímetros precisam de intervenção médica para serem eliminadas.

Outro sintoma que pode ser causado pela litíase renal é o da dilatação do rim, ou hidronefrose. Isso ocorre quando a urina fica retida no rim. Quanto maior o tempo que isso dura, mais chance tem de uma lesão irreversível ser provocada.

Como prevenir a litíase renal

Mesmo não sendo uma segurança 100%, pessoas que costumam ingerir uma quantidade considerável de líquido por dia tem menos chance de desenvolver a litíase renal. As pessoas que costumam contrair esse problema bebem somente de 300 a 500 ml de água por dia.

Quem vive em locais muito quentes precisa beber ainda mais água do que é recomendado (2 l) para se manter sempre hidratada. Por mais que a recomendação geral seja de beber água, o importante mesmo é beber líquido.

Não sendo bebida alcoólica ou refrigerante, ele fará tão bem quanto a água. Os médicos costumam recomenda a ingestão de água, suco, café e chá, mas é difícil dizer com certeza se um líquido pode ser mais benéfico do que outro.

Tratamento

O tratamento escolhido pelo médico vai variar de acordo com o grau da litíase renal que o paciente apresenta. Quando são pedras pequenas e que não causam sintomas, os tratamentos recomendados serão o de beber bastante água (de 2 a 3 litros por dia) e de tomar algum analgésico para aliviar a dor que possa surgir.

Quando as pedras formadas são grandes, o tratamento precisará ser mais forte. Elas não são expelidas sozinhas e irão precisar de intervenção médica para isso. Veja abaixo algumas opções de tratamento:

  • Ureteroscopia: Quando o médico insere um tubo fino pela ureta e retira as pedras do trato urinário.
  • Litotripsia extracorpórea por ondas de choque eletrohidráulicas: O paciente passará por fortes vibrações locais que conseguem quebrar as pedras para que sejam expelidas.
  • Traqueostomia percutânea: É quando há a necessidade de fazer uma cirurgia para retirada de pedras maiores. Ela é feita por meio de um corte pequeno nas costas do paciente.
  • Cirurgia de glândulas partireoides: Como uma alteração nessas glândulas pode aumentar os níveis de cálcio no corpo e fazer com que o indivíduo tenha a litíase renal, em alguns casos é aconselhado fazer uma cirurgia nessas glândulas para regularizar o hormônio.

Gostou desse artigo? Dê seu voto!

Péssimo! Não gostei de nada!Ruim!Gostei, ta na média!Muito bom!Excelente! (No Ratings Yet)
Loading...