Remédio para candidíase – Comprimidos ou pomadas?


Antes de falarmos sobre remédio para candidíase é importante termos em mente que cuidar da saúde é importante para qualquer pessoa em qualquer idade. Além de ser fundamental se ter uma alimentação saudável e se fazer atividades físicas com regularidade, também é recomendado que se mantenha uma rotina para prevenção da saúde, buscando-se o acompanhamento médico. Tudo isto é parte do processo para se manter mais qualidade de vida e também um corpo saudável e livre de doenças.

As mulheres, principalmente, podem enfrentar diversos problemas e transtornos ao longo de sua vida, principalmente na região íntima. A candidíase vaginal, por exemplo, é um dos problemas mais comuns, pois quase todas as mulheres já passaram por este quadro desagradável em algum momento.

Com alguns cuidados e com o remédio para candidíase correto é possível se controlar o problema e se garantir uma vida mais saudável.

O que é a candidíase?

A candidíase é uma doença causada por um fungo que ocorre na região vaginal, sendo reconhecida como uma doença sexualmente transmissível (DST). Esta micose é considerada oportunista já que faz parte da microbiota humana dos indivíduos sadios, sendo endógena, quando oriunda da microbiota, ou exógena, como uma DST, e é causada por leveduras do gênero Candida.

Quando há uma ruptura no balanço natural da microbiota ou quando o sistema imune do paciente está comprometido, as espécies do gênero Candida tendem a ter manifestações bastante agressivas, tornando-se patogênicas. Estas leveduras têm grande importância pela alta frequência com que infectam e colonizam o hospedeiro humano.

A grande maioria das cepas isoladas da vagina normalmente corresponde a espécies da C. Albicans, representando em torno de 60% dos isolados nas amostras clínicas, estimando-se que a proporção de infecções por cepas não-albicans venha aumentando bastante nos últimos anos que são, geralmente, mais resistentes às terapias habituais.


Podem ocorrer diversos tipos de lesões, algumas podendo ser mais superficiais ou também mais profundas, brandas ou crônicas, apresentando-se com aspecto úmido e normalmente recobertas por uma pseudomembrana esbranquiçada, instalando-se em muitos locais do corpo, tais como a boca, a garganta, a pele, a língua, nas unhas, nas genitálias, nos dedos, no couro cabeludo e até mesmo nos órgãos internos, devido aos diferentes tipos de candidíase.

No caso da candidíase vaginal, existem basicamente três tipos de mulheres: aquelas que descobrem que têm o problema durante um exame de rotina como o Papanicolaou, aquela que procura ajuda devido aos sintomas presentes e aquela que possui histórico recorrente de candidíase. O diagnóstico e a escolha do remédio para candidíase são realizados através de exame direto e com a coleta de amostras para a realização de exames laboratoriais e identificação da espécie.

Alguns estudos mostraram que, aproximadamente, de 20% a 25% das mulheres sadias e sem a presença de sintomas são positivas para este fungo. Cerca de 80% das mulheres adultas já tiveram, pelo menos uma vez na vida, situações de candidíase vaginal, sendo que, em 5% dos casos, houve recorrência da micose.

Para as pacientes que apresentam algum sintoma, a candidíase vulvovaginal é bastante comum, apresentando sintomas como uma intensa coceira, a presença de odor e prurido, corrimento mais intenso do que o normal, ardência ao urinar e desconforto vaginal.

O que causa candidíase?

Muitos são os fatores que podem causar a candidíase vaginal. Entre estes fatores estão os traumas que podem ser originados por atividade sexual, alguns tipos de proteção menstrual, o uso de substâncias para a higiene íntima, o uso de roupas muito apertadas com frequência ou de peças íntimas feitas com tecidos sintéticos, gravidez, uso de dispositivos intrauterinos (DIU) e até mesmo o uso de anticoncepcionais orais.

A candidíase também pode ser causada por fatores de predisposição para este tipo de micose e também devido ao uso de alguns medicamentos como os imunossupressores, os corticoides e o uso abusivo de antibióticos, sendo bastante comum sua manifestação em quadros de enfraquecimento do sistema imunológico.

Previna-se!

Muitas são as opções de remédio para candidíase, sendo, porém sempre recomendada a prevenção do problema com a manutenção de uma higiene íntima adequada até mesmo com o uso de sabonetes adequados para a região, procurando-se usar roupas que sejam feitas em tecidos de algodão, atuando na prevenção do problema.

Qual o remédio para candidíase?

Para alguns tipos de candidíase, tanto os comprimidos de via oral quanto os tratamentos tópicos intravaginais são bastante eficazes, como é o caso de alguns cremes e pomadas. A escolha do remédio para candidíase deve ser feita em conjunto com o médico ginecologista a partir de um diagnóstico.

Veja, a seguir, as recomendações de remédio para candidíase:

  • Fluconazol:

Remédio para candidíase

O fluconazol é uma droga com ação antifúngica bastante utilizada nos tratamentos para micose, principalmente aquelas causadas pelo fungo da espécie Candida. Ele pode ser administrado por via oral ou por via intravenosa. Ele é normalmente vendido em comprimidos de diferentes doses e a dose mais usada de fluconazol é 150 mg podendo ser de dose única ou com repetição da dose para casos mais graves.

Apesar de o fluconazol ser um remédio para candidíase bastante tolerado, ele pode apresentar alguns efeitos colaterais como náuseas, diarreia, dor de cabeça, algumas reações de pele e a dor abdominal;

  • Cremes e pomadas:

Em conjunto com o remédio para candidíase via oral, pode-se recomendar a utilização dos cremes e pomadas para tratamento tópico ou intravaginal como é o caso dos antifúngicos como o Clotrimazol 1% ou 2% (variando o período de utilização), o Nitrato de Miconazol 2% ou o Terconazol 0,8%.

Estas pomadas e cremes são bastante indicados para curar a candidíase, pois ajudam a trazer o equilíbrio natural de micro-organismos que vivem na região. As pomadas devem ser aplicadas em toda a região genital externa e também no interior da vagina, devendo-se seguir o tratamento até o fim mesmo que os sintomas venham a desaparecer;

Vale lembrar que a utilização de um ou outro remédio para candidíase irá depender se o paciente sofre de uma forma mais branda ou de algum caso crônico. Neste caso, o tratamento deve ser indicado de forma correta, pois o correto diagnóstico irá garantir a cura da doença.

Recomenda-se também a adoção de melhores hábitos de vida como a correta alimentação com uma dieta reduzida em carboidratos simples e açúcares, além da prática de atividades físicas regulares, ajudando a fortalecer o sistema imunológico e evitando o crescimento de micro-organismos patogênicos.


Gostou desse artigo? Dê seu voto!

Péssimo! Não gostei de nada!Ruim!Gostei, ta na média!Muito bom!Excelente! (1 votes, average: 3,00 out of 5)
Loading...