Cloridrato de Ambroxol


Muitas pessoas são atingidas diariamente por doenças pulmonares que trazem sérias consequências a nossa saúde, afetando a função dos pulmões de diversos modos. Sendo a mais arriscada, as trocas gasosas entre os  alvéolos e o sangue, que acaba impedindo a captação adequada de oxigênio e a retirada do dióxido de carbono.

Em muitas das vezes o grande problema das doenças pulmonares é a incapacidade de retirar substâncias estranhas acumuladas. Existem diversos tipos de doenças pulmonares como:

  • Asma (condição em que as vias aéreas de uma pessoa ficam inflamadas, reduzidas e inchadas, além de produzirem muco extra, o que dificulta a respiração).
  • Doença pulmonar obstrutiva crônica – DPOC (enfisema pulmonar e bronquite crônica, sendo uma doença associada ao fumo ou poluição, que dificulta o processo respiratório).
  • Fibrose pulmonar (doença caracterizada por fibrose do tecido entre os sacos alveolares, inflamação dos alvéolos e enrijecimento dos pulmões).
  • Infecções (causadas por bactérias, vírus ou diversos micro-organismos que podem afetar o pulmão, podendo desenvolver uma pneumonia, gripe, tuberculose, entre diversas outras doenças).
  • Câncer de pulmão (tumor caracterizado pela quebra dos mecanismos celulares naturais do pulmão, a partir de estímulos carcinogênicos ao longo dos anos, levando ao crescimento desorganizado de células malignas).
  • Hipertensão pulmonar (pressão alta nas artérias dos pulmões, afetando o coração).
  • Embolia pulmonar (doença em que uma ou mais artérias pulmonares ficam bloqueadas por um coágulo sanguíneo).
  • Displasia bronco pulmonar (distúrbio pulmonar crônico decorrente de lesões repetitivas do pulmão, sendo mais frequente em bebês muito prematuros).
  • Fibrose cística (doença hereditária que afeta os pulmões, o pâncreas e outros órgãos).

E ainda existem diversas outras doenças pulmonares, que prejudicam a nossa respiração, por isso a atenção nesses casos devem ser redobradas, pois esses distúrbios provocam grandes mudanças em nossas vidas.

O Cloridrato de Ambroxol é um medicamento que ajuda no tratamento de doenças pulmonares, bastante indicado pleos médicos, o medicamento age como expectorante nas afecções bronco pulmonares agudas e crônicas que estão associadas à secreção mucosa anormal e transtornos do transporte mucoso.

Para que serve o Cloridrato de Ambroxol

cloridrato de ambroxol


O xarope serve para o tratamento das doenças pulmonares (brônquios e pulmões) agudas (que são doenças com tratamento á curto prazo) e crônicas (tratamento prolongado), facilitando a expectoração (soltando o catarro do peito) quando ocorre acúmulo de secreção.

Como funciona o Cloridrato de Ambroxol

O medicamento tem como objetivo favorecer a expectoração, ajudando a eliminar o catarro das vias respiratórias, tendo como consequência o alívio da tosse.

O Cloridrato de Ambroxol também desobstrui os brônquios e funciona como anestésico, aliviando a irritação da garganta que está associado á tosse com catarro. A ação do medicamento ocorre em até 2 horas após a primeira dosagem do medicamento.

Como usar o Cloridrato de Ambroxol ( posologia )

O paciente deve seguir a marcação do copo-medida para medir as doses do xarope. O Cloridrato de Ambroxol pode ser ingerido antes ou depois das principais refeições, seguindo sempre a recomendação médica.

Para o uso do medicamento em menores de 2 anos de idade, o médico deverá fazer o acompanhamento do paciente durante o tratamento. O uso pediátrico de crianças menores de 2 anos é de 2,5 mL 2 vezes ao dia.

Para crianças de 2 a 5 anos de idade, é recomendado o uso de 2,5 mL do Cloridrato de Ambroxol durante 3 vezes ao dia.

Para crianças de 6 a 12 anos de idade, é recomendado o uso de 5 mL do xarope durante 3 vezes ao dia.

Para adolescentes maiores de 12 anos e adultos, é indicado 5 mL por via oral do xarope, durante 3 vezes ao dia.

A posologia do medicamento é referente ao tratamento de doenças pulmonares para tratamento inicial de condições crônicas até 14 dias.

Composição do Cloridrato de Ambroxol

Cada 5 mL do medicamento pediátrico contém 15 mg de cloridrato de ambroxol e 5 mL de veículo q.s.p (Quantidade Suficiente Para) de ácido tartárico, aroma de cereja, aroma de framboesa, benzoato de sódio, glicerol, hietelose, propilenoglicol, sorbitol e água purificada.

Cada 5 mL do medicamento adulto contém 30 mg de cloridrato de ambroxol e 5 mL de veículo q.s.p (Quantidade Suficiente Para) de ácido tartárico, álcool etílico, aroma de laranja, benzoato de sódio, glicerol, hietelose, mentol, propilenoglicol, sacarina sódica di-hidratada, sorbitol e água purificada.

O xarope também contém 0,01 mL de álcool etílico em 5 mL.

Contraindicação do Cloridrato de Ambroxol

O medicamento é contraindicado em pacientes que tenham hipersensibilidade conhecida ao cloridrato de ambroxol e aos outros componentes da fórmula.

O Cloridrato de Ambroxol também é contraindicado aos pacientes que tenham casos de condições hereditárias raras de intolerância a frutose.

Precauções

Atenção especial para diabéticos, pois o medicamento contém açúcar.

O medicamento contém 5,25 g de sorbitol por dose diária máxima recomendada (15 mL).

Pacientes que tenham intolerância à frutose, não deve usar o medicamento, pois o cloridrato de ambroxol pode causar leve efeito laxativo.

Existem poucos casos de lesões cutâneas graves associadas as substâncias expectorantes como o cloridrato de ambroxol, porém durante a fase inicial, o paciente pode apresentar alguns sintomas semelhantes ao de gripe, como dores no corpo, rinite, febre, dor de garganta e tosse, onde surgindo esses sintomas, o paciente pode iniciar o tratamento com medicação para tosse e resfriado.

Caso apareça manchas na pele e coceiras constantes, o paciente deve interromper o uso do medicamento.

Caso você tenha insuficiência renal, você deve avisar o seu médico antes de iniciar o tratamento com o medicamento.

Caso os sintomas não melhorem no prazo de até 14 dias, ou piorem, durante o tratamento de problemas respiratórios, procure o seu médico.

Os pacientes que estão em tratamento com o cloridrato de ambroxol podem perder a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas.

 

O cloridrato de ambroxol passa para a placenta e pode chegar ao bebê em gestação, mas não há evidências de efeitos prejudiciais ao bebê, porém recomenda-se que o medicamento não seja utilizado por gestantes durante os  três primeiros meses de gravidez.

Apesar de não existir relatos de efeitos desfavoráveis ao leite materno para mulheres que estejam amamentando, o cloridrato de ambroxol não é indicado se você estiver amamentando.

O medicamento deve ser armazenado em temperatura ambiente e protegido da luz,

 

O número de lote, data de fabricação e prazo de validade constam na embalagem do medicamento.

 

O cloridrato de ambroxol se apresenta na forma de xarope pediátrico praticamente incolor, tendo sabor de framboesa. O xarope adulto também é incolor, porém o sabor é de laranja mentolado. Verifique o aspecto do medicamento, caso apresente divergências consulte o farmacêutico se o mesmo estiver no prazo de validade.

Não existem relatos de sintomas específicos de intoxicação devido a superdosagem do medicamento, caso o paciente faça dose excessiva do medicamento, deverá procurar uma emergência médica para observação de efeitos colaterais.

Caso você esqueça de tomar o medicamento na hora certa, continue tomando as próximas doses regularmente no horário habitual. Não duplique a dose na próxima tomada.

Efeitos colaterais do Cloridrato de Ambroxol

Reações comuns que atingem entre 1% a 10% dos pacientes que utilizam o Cloridrato de Ambroxol: Disgeusia (alteração do paladar); hipoestesia da faringe (diminuição da sensibilidade da faringe); náusea (enjoo); hipoestesia oral (diminuição da sensibilidade da boca).

Reações incomuns que atingem entre 0,1% a 1% dos pacientes que utilizam o Cloridrato de Ambroxol: Vômitos; diarreia; indigestão; dor abdominal e ressecamento da boca.

Reações raras que atingem entre 0,01% a 0,1% dos pacientes que utilizam o Cloridrato de Ambroxol: Manchas no corpo, coceira, placas elevadas, descamação na pele, garganta seca, alergia, inchaço dos lábios, língua e garganta.

Interação do Cloridrato de Ambroxol com outros remédios

Não existem relatos de interações do Cloridrato de Ambroxol prejudiciais de importância clínica com outros remédios.

Cloridrato de Ambroxol Preço

O expectorante de doenças pulmonares agudas e crônicas, Cloridrato de Ambroxol pode ser encontrado nas farmácias e redes de drogarias do país pelo preço de R$ 12,87 a R$ 41,34.

Cloridrato de Ambroxol Genérico

Existem diversos medicamentos genéricos do Cloridrato de Ambroxol, onde todos possuem o mesmo principio ativo do medicamento, sendo eles:

  • Ambrol;
  • Ambroxmel;
  • Bronqtra;
  • Bronxol;
  • Expectuss;
  • Fluibron;
  • Fluibron A;
  • Mucosalvan;
  • Mucosalvan 24 HRS;
  • Mucovit;
  • Neossolvan;
  • Sedavan;
  • Ambroflux;
  • Anabron;
  • Fluisolvan;
  • Frutosse;
  • Mucibron;
  • Mucoangin;
  • Mucoclean;
  • Mucolin;
  • Muconat;
  • Mucoxolan;
  • Mucxol;
  • Spectoflux;
  • Teomuc;

Os medicamentos similares ao Cloridrato de Ambroxol custam entre R$ 6,58 a R$ 33,69. Os preços podem variar de região, no Brasil. Faça uma pesquisa em sites de buscas e nas farmácias das proximidades de sua residência.

Pergunta dos leitores

Cloridrato de Ambroxol da sono?

Como todo antibiótico, o Cloridrato de Ambroxol pode causar sonolência, por isso durante o tratamento o paciente pode sentir cansaço, fraqueza, sono e com isso fica vulnerável a assumir situações de grandes responsabilidades, como dirigir veículos e operar máquinas. O sono provocado pelo uso do medicamento é controlado, caso seja em excesso o mesmo deve procurar o seu médico para um diagnóstico mais preciso.

Encontra-se Cloridrato de Ambroxol em forma de xarope?

Sim. O medicamento é comercializado em forma de xarope para uso pediátrico e adulto.

Cloridrato de Ambroxol engorda?

O Cloridrato de Ambroxol não engorda, o paciente pode perder peso, porém cada organismo irá responder de uma forma durante o tratamento. Caso o uso do medicamento faça você ganhar peso, será uma medida levada em consideração como reação adversa, devendo se consultar com o seu médico para comprovar se o ganho de peso é devido ao uso do medicamento ou relacionado a falta de uma alimentação regrada acompanhada de sedentarismo.


Gostou desse artigo? Dê seu voto!

Péssimo! Não gostei de nada!Ruim!Gostei, ta na média!Muito bom!Excelente! (No Ratings Yet)
Loading...