Bupium


Qualquer tipo de vício poderá, e irá, trazer sérios riscos ao dia a dia e organismo das pessoas. Entre todos os principais atos viciantes, um muito comum é o de fumar, no caso, quando envolve nicotina. Fumantes iniciam nesse habito por diversos motivos, podendo ir desde uma maneira rápida para fugir do estresse do dia a dia, até mesmo por um simples convite de algum amigo em uma festa.

A grande importância aqui é que o ato de fumar vicia, e muito, podendo trazer sérios problemas ao corpo humano, principalmente doenças no pulmão que levam, até mesmo, a morte. Porém, alguns medicamentos surgiram para auxiliar a vida dessas pessoas, ajudando a parar. Entre os principais, um muito orientado por médicos para pacientes fumantes é o Bupium, ou somente cloridrato de Bupropiona.

Hoje, iremos dar importantes informações e detalhes desse remédio, principalmente como tomá-lo, sua composição e para quais casos ele é indicado.

Para que serve o Bupium

Bupium

Como exemplificado na introdução inicial, além de informações que existem em sua própria bula, o medicamento Bupium, ou somente cloridrato de Bupropiona, é indicado pelo médico para ajudar seus pacientes a parar de fumar.

A eficácia da utilização do produto tem reações positivas tanto em fumantes novos e que não fumam diariamente, tanto para aqueles que consomem muito.


O cloridrato de Bupropiona também é utilizado, em certos casos, em pacientes que já apresentam alguma doença pulmonar, mas não consegue largar a nicotina ou tabagismo. Alguns estudos apontam que ele pode ser muito eficiente em casos de abstinência, diminuindo bastante a vontade incessável de fumar.

Além dessa ação principal, o Bupium pode ser utilizado, como uma função secundária, para amenizar casos de depressão.

É importante ressaltar que, mesmo sabendo para que é indicado o medicamento, é essencial que ocorra a orientação de um médico especialista para dar inicio ao tratamento. Situação como parar de fumar e alívio da depressão são bem sérios para serem tratados por conta própria.

Como funciona o Bupium

O Bupium tem como princípio ativo em sua composição, que será melhor detalhada a frente no artigo, o cloridrato de bupropiona. Esse componente é o principal e mais eficaz para diminuir o desejo do fumante em praticar o ato de fumar, especificamente em casos que ocorrerá a dependência à nicotina.

O medicamento tem como base o bupropiona consegue ter ação de inibir o recebimento de duas substâncias químicas essenciais para o tratamento, noradrenalina e dopamina, que influência diretamente na dependência e vontade de fumar presente no cérebro dos pacientes. Estudos comprovam que, sem elas no organismo, o paciente diminuirá o ato de fumar.

Para ação do medicamento começar a dar indícios da eficácia buscada, é necessário algo próxima de uma semana após tomar o primeiro comprimido, que é o período que o cloridrato de bupropiona necessita dentro do organismo.

Vale ressaltar que, essa ação do Bupium só ocorrerá corretamente e com o objetivo que o paciente deseja alcançar, caso ele realmente esteja inspirado e concentrado em parar de fumar nicotina, caso o contrário, o tratamento será jogado no lixo e não terá resultado algo.

Composição do Bupium

A composição do Bupium é divida pela quantidade de ingredientes que cada um comprimido revestido, que libera cerca de 150 mg, possui. São eles:

  • 150 mg de cloridrato de Bupropiona

Além disso, outros componentes que completam a fórmula do comprimido revestido, como excipientes, são: celulose microcristalina, cloridrato de cisteína, hipromelose, estearato de magnésio, hipromelose + macrogol, dióxido de titânio, corante vermelho 40 solúvel, corante alumínio laca azul nº 1, água purificada.

Como usar o Bupium

Ao usar o medicamento, a sua ingestão deve ocorrer de forma forma é oral, seguindo as devidas instruções médicas para tomar a dose diária.

Nunca cortar no meio ou triturar o comprimido de Bupropiona, ele deve ser engolido por inteiro. Caso isso não aconteça, além da eficácia do tratamento não alcançar os resultados como os desejados, as chances de do paciente sentir reações adversas são grandes.

A divisão de doses recomendada para tomar o medicamento a base do cloridrato de Bupropiona é a seguinte:

  • A dose média recomendada é de 1 a 2 comprimidos, sendo 150 mg a 300 mg, 2 ou 3 vezes ao dia.

A posologia pode ter alterações dependendo da orientação do médico. Como sempre, mesmo com a recomendação de doses diárias citada acima, nunca tome o Bupium por conta própria.

Precauções do Bupium

Segundo informado na bula do próprio medicamento, alguns pacientes que pensam em iniciar algum tratamento com o comprimido de Bupium precisam analisar ter algumas advertências antes, para não colocar a sua saúde ou vida em risco. As principais precauções a serem seguidas são:

  • Pessoas que estão em algum outro tratamento que utiliza outros medicamentos que contenham Bupropiona em sua composição não devem tomar o comprimido de Bupium.
  • Não exceder a dose recomendada pelo médico, pois existem grandes riscos de convulsões.
  • Pessoas com histórico de traumatismo craniano, tumor no sistema nervoso central, histórico de convulsões, que tomam medicamentos para baixar o incidentes de convulsões, que excedem ao tomar bebidas álcool ou ao usar sedativos, que fazem tratamento de diabetes com hipoglicemiantes ou insulina, ou que fazem uso de
    estimulantes ou produtos anorexígenos devem administrar as doses de Bupropiona com muito cuidado.
  • Caso ocorra convulsões no paciente, o tratamento com o uso de bupropiona deve ser descontinuado.
  • Pessoas que tenha hipersensibilidade ou alergia aos ingredientes da composição do Bupium, principalmente o cloridrato de Bupropiona, não podem iniciar o tratamento.
  • Pacientes com casos de cirrose hepática leve, ou outra insuficiência hepática, possivelmente, terão suas doses reduzidas e trabalhadas com mais cautelas pelo médico especialista.
  • Pacientes com casos de cirrose hepática grave devem tomar o comprimido de Bupropiona com muita cautela e cuidado, precisando de observação médica próxima.
  • Pessoas com insuficiência renal terão suas doses reduzidas e uma observação médica redobrada durante o tratamento com Bupium.
  • Idosos terão passar por algumas exames específicos, para liberação do medicamento ou maior cuidado ao tomar o comprimido de Bupropiona.
  • O uso do cloridrato de bupropiona em pacientes que querem parar de fumar pode causar alguns  sintomas neuropsiquiátricos, como alucinações, irritação e ansiedade.
  • Surto de bipolaridades e depressão, com sensações raras de suicido, podem acontecer no início do tratamento em pessoas que querem parar de fumar.
  • Em casos raros, pode ter  aumento da pressão sanguínea ao tomar o Bupium. Por isso, é recomendado o cuidado redobrado em pessoas com doenças cardiovasculares.
  • A ingestão do comprimido de  cloridrato de Bupropiona em pessoas abaixo de 18 anos não é recomendado.
  • Como o medicamento Bupium trabalha diretamente no sistema nervoso, atividades que necessitam de habilidades cognitivas e motoras, como dirigir, devem ser evitadas.
  • Mulheres que estão grávidas ou que estão amamentando não devem utilizar Bupropiona como tratamento. O risco da utilização na gravidez é nível D.

Superdosagem do Bupium

Além das convulsões, citadas no tópico sobre precauções do Bupim, tomar a dose acima do recomendado pelo médico, chamada de superdosagem, pode causar as seguintes reações:

  • Sonolência
  • Redução do nível de consciência
  • Alterações de eletrocardiograma

Em caso de superdosagem de Bupropiona, o paciente precisa procurar um médico com urgência para ser hospitalizado. Leve a bula e a caixa do Bupium utilizado.

Reações Adversas do Bupium

Segundo a bula do próprio medicamento, os efeitos e reações adversas da utilização do cloridrato de Bupropiona são divididos em níveis de ocorrências.

Reações muito comuns:

  • insônia
  • cefaleia
  • boca seca
  • náuseas
  • vômitos.

Reações comuns:

  • Anorexia
  • Agitação
  • Ansiedade
  • Depressão
  • Tremor
  • Vertigem
  • Distúrbios de paladar e de concentração
  • Dificuldades para enxergar e/ou ouvir
  • Dor abdominal
  • Alteração do trânsito intestinal, com retenção ou liberação de fezes acima do normal
  • Febre
  • Perda de força física

Reações incomuns:

  • Confusão mental
  • Zumbido nos ouvidos
  • Taquicardia e aumento da pressão sanguínea
  • Sentir calor excessivo
  • Vermelhidão
  • Dor no peito

Reação rara:

  • convulsão

Reações muito raras:

  • Dor nas articulações e muscular, podendo até ocorrer perda das suas funções
  • Distúrbios da glicose sanguínea
  • Irritabilidade e hostilidade, com possibilidade de agressão.
  • Inquietação
  • Alucinações e delírios, com sonhos estranhos e despersonalização
  • Distonia
  • Parkinsonismo
  • Alterações de coordenação motora e memória, podendo até ter perda de consciência
  • Mudança das sensações cutâneas, como frio, calor, formigamentos e outros
  • Palpitações e vasodilatação
  • Tontura
  • Elevação dos níveis das enzimas hepáticas
  • Icterícia e hepatite
  • Eritema multiforme
  • Síndrome de Stevens-Johnson
  • Necessidade frequente de urinas

Em casos de aparecimento das reações adversas com o uso do Bupropiona, busque ajuda médica e notifique a vigilância sanitária.

Interações medicamentosas de Bupropiona

A utilização do Bupium pode influenciar diretamente o uso de outros medicamento durante o tratamento.

É necessário ter muito cuidado para administrar o uso do cloridrato de bupropiona, principalmente por afetar o isoenzima CYP2B6. Estudos indicaram que o seu uso aumentou os níveis plasmáticos da desipramina, com o efeito durante ao menos sete dias após a última dose. Por isso, é essencial que o uso de drogas predominantemente metabolizadas por essa isoenzima, durante o tratamento com Bupropina, deve ser iniciado com uma dose melhor do que a recomendada. Em caso contrario, o Bupium deve ter a dose reduzida.

Drogas que requerem ativação metabólica pelo CYP2D6 tem grandes chances de ter sua ação eficácia reduzida junto ao uso do bupropiona.

Em um estudo, o uso do bupropiona aumenta a Cmáx e a ASC em 30% a 40% do medicamento citalopram.

A utilização de carbamazepina, o fenobarbital, fenitoína, ritonavir, efavirenz ou inibidores do metabolismo podem afetar na ação do Bupropiona. Pessoas que estão utilizando esses medicamento, podem precisar de doses maiores de Bupium, porém sem exceder o limite máximo.

Pacientes que estão recebendo levodopa ou amantadina, devem ter cautela redobrada para tomar os comprimidos de cloridrato de bupropiona.

A  digoxina tem seus níveis reduzidos ao ser coadministrado com bupropiona.

Outras interações podem ser indicadas pelo médico especialista.

Pergunta dos leitores

Onde posso comprar o Bupium e a Que preço?

Os Bupium está disponível comercialmente nas principais farmácias, somente físico e não pela internet.

A caixa com 60 comprimidos revestidos tem o preço variando de R$100 a R$115.

A caixa com 30 comprimidos revestidos tem o preço variando de R$60 a R$75.

Pode ser consumida por idosos ou/e crianças?

O uso do Bupium é recomendado para maior de 18, precisando ter algumas precauções extra em idosos com idade acima de 65.


Gostou desse artigo? Dê seu voto!

Péssimo! Não gostei de nada!Ruim!Gostei, ta na média!Muito bom!Excelente! (4 votes, average: 5,00 out of 5)
Loading...