Prisão de ventre: Quais as causas?


A prisão de ventre consiste basicamente na dificuldade de evacuação. Não existe um período correto para ir ao banheiro, algumas pessoas irão de 2 em 2 dias e não terão nenhum tipo de dificuldade enquanto que outra pessoa que vai diariamente sente essa dificuldade.

Ela é ocorre quando os movimentos do intestino se tornam difíceis, e as fezes se encontram bem ressecadas. A prisão de ventre além de causar dificuldade no momento da evacuação, pode causar desconforte e fortes cólicas.

Causas e fatores de risco

Existem pessoas que estão dentro do fator de risco para desenvolver a prisão de ventre. Este problema é mais comum em mulheres, em pessoas que ingerem pouca água, pessoas que já estão na meia idade, quem é sedentário e quem tem uma dieta pobre em fibras.

Nesses casos, já sabendo que a possibilidade do problema é maior, é preciso estar atento ao aparecimento de sintomas e procurar ajuda médica caso isso aconteça. Apesar de muita gente não levar com tanta seriedade este problema, ter acompanhamento médico é essencial.

Existem vários fatores que podem causar a prisão de ventre, de um problema mais sério como um tumor maligno a algo mais simples como a má alimentação. Listamos abaixo as causas mais comuns, confira:

Problemas neurológicos

É possível que doenças que afetem os nervos do cólon e do reto causem a prisão de ventre, já que atrapalham a forma do funcionamento correto desses órgãos. Entre elas estão:


  • Esclerose múltipla;
  • Acidente Vascular Cerebral;
  • Lesão na medula;
  • Neuropatia autonômica;
  • Doença de Parkinson.

Condições hormonais

Doenças ou condições que alteram o bom funcionamento e a produção dos hormônios também levam a essa dificuldade:

  • Diabetes;
  • Gravidez;
  • Hiperparatireoidismo;
  • Hipotiroidismo;

Bloqueios no reto ou no cólon

Doenças que causam esse problema causam retardamento das fezes, em alguns os movimentos das fezes param por completo:

  • Retocele;
  • Câncer de cólon;
  • Câncer retal;
  • Obstrução intestinal;
  • Fissura anal;
  • Tumores na região abdominal;
  • Estenose do intestino (é o estreitamento do cólon);

Problemas musculares

Algumas doenças afetam os músculos pélvicos e isso resulta em dificuldade de evacuação, na forma crônica. Podem surgir a partir disso, problemas como:

  • Músculos pélvicos fracos;
  • Incapacidade de relaxamento dos músculos pélvicos (o que dificulta ainda mais a evacuação);
  • A falta de coordenação dos músculos pélvicos não permite que existam contração e relaxamento da forma correta.

Hábitos do dia a dia

Existe uma série de hábitos que causam a prisão de ventre:

  • Sedentarismo;
  • Viajar muito;
  • Ingestão de água inadequada;
  • Estresse;
  • Uso excessivo de laxantes;
  • Sedativos e narcóticos;
  • Depressão;
  • Medicamentos para baixar a pressão arterial;
  • Resistir ao impulso de defecar;
  • Interrupção de dieta regular;

Complicações da prisão de ventre

Prisão de ventre

A prisão de ventre se não for tratada pode levar a algumas complicações. Existe a possibilidade do esforço causado na hora de defecar criar lesões na região anal, que podem ser hemorroidas, fissura anal e até o prolapso do reto.

Existe também a possibilidade das fezes ficarem muito endurecidas e formar um grande volume, isso vai criar um fecaloma e as fezes não serão eliminadas de forma natural. Para a retirada será necessária uma ajuda mecânica.

Em alguns casos é necessário que o paciente seja submetido a uma intervenção cirúrgica. Ficar muito tempo sem defecar pode causar também infecção, que pode levar à sepse.

Tratamento

A forma mais eficaz de tratamento é com uma dieta rica em consumo de fibras, legumes, verduras e frutas. O consumo de mamão, ameixa e aveia são muito eficazes no auxilio desse problema. É importante evitar consumir carnes e carboidratos. O consumo de água tem que ser feito em bastante quantidade.

É importante que o paciente que possua esse problema entenda a importância de evacuar sempre que a vontade vier. Por conta das dores que a prisão de ventre causa, é muito comum que o portador iniba a vontade de defecar.

Praticar exercícios físicos colabora para um bom funcionamento do intestino e estimula a motilidade do cólon. Alguns laxantes naturais podem ser consumidos em casos onde as fezes apresentam-se mais endurecidas, dentre eles está a metilcelulose, o policarbofil e o psyllium.

Em casos mais extremos pode ser feito o uso de laxantes industriais. É importante que isso não vire rotina, com um tempo o laxante irá perder o efeito. Para o consumo desse medicamento é importante ter passado por consulta médica e ter sido receitado pelo especialista.

Entre os laxantes mais utilizados, os mais eficazes são o sorbitol, óleo mineral, lactulose, bisacodil e sena.

Se o problema estiver em uma situação ainda mais delicada pode fazer o uso de supositórios de glicerina ou enemas. Se ainda assim o problema continuar, será necessário a desimpactação manual. As fezes precisarão ser fragmentadas com auxílio mecânico.

Massagem alivia?

Sim! É possível conter e aliviar a prisão de ventre utilizando técnicas de massagens abdominais.  É importante fazer essa massagem regularmente, ou no momento em que a vontade de defecar aparece, ou antes de dormir.

A massagem deve iniciar na região abaixo do umbigo, da direita para esquerda. É preciso fazer pressão como se estivesse empurrando as fezes para o lado esquerdo. Próximo do osso do quadril ao lado esquerdo, deve-se realizar a massagem deste ponto no sentido para baixo, em direção à virilha. O próprio paciente pode fazer essa massagem em si mesmo.

Iogurtes resolvem mesmo?

Somos bombardeados o tempo inteiro com propaganda de iogurtes que prometem fazer o intestino trabalhar direito, mas será que isso é verdade? Sim! Os iogurtes probióticos possuem bactérias boas para o intestino que evitam dados causados pelas ruins, como diarreia, dor abdominal, gases e outros. Incluir esse tipo de alimento da nossa alimentação equilibra a flora intestinal.

Sintomas da prisão de ventre

O principal sintoma é quando o paciente não evacua mais de 3 vezes por semana. Não defecar por alguns dias não dá o diagnóstico da prisão de ventre, existem mais sintomas que caracterizam o problema e que muitas vezes não são percebidas.

Fazer muita força para defecar, fezes rígidas ou em forma de bolinhas, sensação de não esvaziamento total do reto, e sensação de bloqueio na região fetal também são alguns dos sintomas.


Gostou desse artigo? Dê seu voto!

Péssimo! Não gostei de nada!Ruim!Gostei, ta na média!Muito bom!Excelente! (No Ratings Yet)
Loading...