O pesadelo das estrias: Causas, sintomas, prevenção e tratamento

Se existe uma coisa em comum em todas as mulheres é o pavor de estrias. Não adianta, por mais que os homens também possam ter, são as mulheres que encaram as estrias com um terror. Elas deixam uma aparência rochosa na pele, podendo ser brancas ou de cores mais escuras.

Muitas mulheres deixam de fazer coisas comuns por causa da vergonha de expor esse problema. Ir à praia, ou até mesmo colocar roupa de academia pode parecer uma tortura. Outro problema é que elas aparecem nas partes mais femininas: quadris, cintura, seios e abdômen.

Mas afinal, o que são as estrias?

As estrias são cicatrizes que aparecem com a destruição de fibras elásticas e colágenas na pele. Normalmente elas aparecem com o estiramento da pele, nas fases de desenvolvimento do ser humano, com o crescimento, ou quando há ganho de gordura corporal.

Essas linhas podem arder e coçar e são formadas com o estreitamento da derme e da epiderme.  As estrias podem ser classificadas em dois tipos diferentes:

  • Estrias recentes: Esse tipo possui cor rósea ou púrpura. Como se trata de estrias novas, elas normalmente vem acompanhadas de um processo inflamatório no local que pode causar coceira e irritação.
  • Estrias antigas: Esse tipo possui cor branca. Como estas já possuem um certo tempo no corpo do paciente, já houve uma atrofia mais forte das fibras colágenas e elásticas. Nesse caso não há inflamação.

Pessoas negras podem adquirir estrias com a cor mais escura do que o seu tom de pele.


O que causa estria?

Não existe um estudo que caracterize uma causa específica par o aparecimento das estrias, o que fica nítido, no entanto, é que o aparecimento de estrias acontece logo após algumas situações.

A estria é formada após uma inflamação e um rompimento da fibra colágena da pele. Isso está associado diretamente ao estiramento da pele. Existem vários fatores que podem causar o estiramento da pele.

Entre eles está o crescimento repentino, a obesidade, o ganho de massa muscular exagerado através de atividades físicas intensas, a gestação onde a mulher ganha bastante peso, colocação de próteses (inclusive a mamária), uso de anabolizantes e até mesmo o consumo contínuo de medicamentos corticoides.

Dá para prevenir?

estrias

Por possuir diversas causas, prevenir as estrias se torna difícil. No entanto, existem alguns cuidados pessoais que podem ser feitos para tentar evitar esse tipo de problema.

Manter hábitos alimentares saudáveis, ingerir bastante água e praticar exercícios físicos regulamente e de forma correta, auxiliará para que você mantenha sempre uma massa corporal boa, sem correr o risco de ganho de peso exagerado e de uma hora para outra.

Outra maneira é evitar o uso de medicamentos de qualquer forma. É muito importante que o ser humano não se medique por conta própria, só faça uso de remédios com prescrição médica.

A pele precisa estar sempre bem hidratada, por isso, além da ingestão de água que já mencionamos aqui, é muito importante que você utiliza cremes hidratantes com regularidade, principalmente após o banho e antes de dormir.

Evite roupas apertadas, elas podem causar dano à pele possibilitando o aparecimento das estrias. Tomando esses cuidados você evitará que a pele fique seca e o colágeno sofra com rompimentos.

Estria tem cura?

Infelizmente não! Depois que há o rompimento não há jeito para consertar o prejuízo. Os tratamentos que existem para estria funcionam, na verdade, como um paliativo que ajuda a inibir os sintomas provocados, disfarçando a sua aparência.

É possível que novas estrias consigam sofrer alterações com algumas atitudes recomendadas por um médico especialista. As estrias brancas, entretanto, não sofrerão praticamente nenhuma alteração, pois já são mais antigas e o dano é irreversível.

Tratamento para estrias

Como já dito neste artigo, os tratamentos visam melhorar o aspecto que as estrias causam no corpo. Os resultados nem sempre são satisfatórios porque a cura em si não existe. Nada que for feito tirará por completo as estrias do seu corpo.

É importante que antes de iniciar qualquer tipo de tratamento você tenha sido acompanhado e aconselhado por um médico. Muitas pessoas iniciam um tratamento por indicação de outra pessoa e tem resultados desastrosos.

O tratamento é individual. Só um especialista poderá entender o seu caso e passar a melhor forma de trata-lo. Tanto a espessura, quanto o tempo e as cores das suas estrias influenciam na hora de escolher a forma de cuidar delas.

Quanto mais rápido você for procurar ajuda, melhores serão os resultados que conseguirá. Quando o tratamento tem início logo após a aparição das estrias, os benefícios são muito maiores, podendo chegar ao ponto da estria ficar praticamente invisível ao olho nu.

Existem várias formas de tratamento, desde o uso de cremes, utilização de lasers, peeling, ou a aplicação de certos ácidos. Listamos abaixo alguns dos tratamentos mais comuns recomendados pelos dermatologistas. Lembrando que só o seu médico especialista poderá te indicar qual destes é o melhor para o seu caso. Não se automedique!

  • Subcisão: Intervenção cirúrgica onde uma agulha irá fazer uma ruptura das traves de fibrose produzindo um hematoma no local. Pode associar-se a esse tratamento o preenchimento das áreas atróficas com ácido hialurônico, ou a sutura da estria;
  • Infravermelho: A luz infravermelha irá aumentar a temperatura da epiderme, provocando desagregação do colágeno, contração e estimulará a produção de um novo colágeno, remodelando a derme e modificando a aparência da estria.;
  • Ácido retinóico: Através de cremes o ácido é utilizado para estimular a produção do colágeno onde a estria estiver;
  • Microdermoabrasão: Estimula a reorganização dos tecidos da estria, auxiliando a penetração de outas substâncias como o ácido retinóico. É necessário ter cuidado nesse tratamento para não causar sangramentos;
  • Laser ablativo e fracionado: Possui dado térmico controlador e o tratamento é feito com poucas sessões. É eficiente para as estrias brancas, mas causa desconforto nas aplicações;
  • Laser não-ablativo: Como não causa dano para a epiderme, por causa das suas ponteiras precisas, qualquer pessoa pode se submeter, independente do tipo de pele e da época do ano.