Espinheira santa: um santo remédio!


Conhecida cientificamente como Maytenus Ilicifolia, a espinheira santa é uma planta medicinal da família Celastraceal. É uma árvore de pequeno porte, ramificada, que pode chegar até os 5 metros de altura e produz frutos vermelhos.

Adapta-se melhor em solos e terrenos úmidos, cresce entre outras espécies de árvores e é eficaz para o uso sustentável e para ações de conservação. Está mais presente na região sul do Brasil e desde 1930 existem relatos do seu uso no meio urbano, contra problemas de indigestão, úlcera e gastrite.

A espinheira santa já era utilizada pelos índios brasileiros para combater tumores. Por conta dessa forma de utilização ganhou outro nome: erva-cancerosa.

Na Argentina ela é bastante utilizada no tratamento de infecções urinária e respiratória, de asma, diarreia e para a indução da menstruação.

Achada com facilidade em farmácias ou lojas de produtos naturais, a espinheira santa ganhou esse nome porque era conhecida popularmente como sendo um “santo remédio”. O nome ganhou força também por causa do formato das suas folhas, que são parecidas com espinhos.

Propriedades da planta

O efeito da espinheira ajuda em muitas coisas, suas propriedades tem ação anti-inflamatória, anticicatrizante, antiulcerosa, tonificante, calmante, diurética, laxante e antisséptica.


Existem óleos essenciais nas suas substâncias que fazem dessa planta uma poderosa aliada à saúde. Entre os óleos está o fudinemol, que possui efeito gastroprotetor.

Há presença também do ácido tônico e silícico, que dão para a espinheira santa a capacidade antisséptica e anticicatrizante.

Existem taninos em suas propriedades que tem ação cicatrizante em lesões ulcerosas no estômago, principalmente o epigalocatequina. Ele controla a produção do ácido clorídrico e paralisa as fermentações gastrointestinais, possuindo assim um poder antisséptico.

Como utilizar a espinheira santa

espinheira santa

As partes utilizadas são as folhas, a casca e a raiz. A partir delas é possível produzir chás, tinturas, cápsulas ou mesmo usá-las externamente em cima de lesões.

Assim como qualquer outro produto, natural ou não, o consumo excessivo da espinheira santa pode causar efeitos colaterais, mesmo o índice desses efeitos negativos sendo baixíssimos. Após estudos e experiências em animais e humanos, os cientistas constataram que a espinheira santa é um fitoterápico muito seguro se for consumido nas doses recomendadas.

Se o uso ultrapassar a recomendação segura é possível notar reações (com pequena incidência) de náuseas, boca seca e dor no estômago.

Recomenda-se, portanto, que faça a ingestão da planta de 3 formas:

  1. 3 xícaras de chá ao dia, ou;
  2. 2 cápsulas 3 vezes ao dia, ou;
  3. 2 colheres de sopa a cada 8 horas.

Obs: O chá tem efeito mais eficaz se for consumido após as principais refeições do dia a dia, já as cápsulas precisam ser consumidas antes das refeições.

Forma de preparo do chá de espinheira santa

Ingredientes

  • 1 colher de folhas secas de espinheira santa
  • 1 xícara de água

Modo de preparo

Coloque a água no fogo até ferver. Após isso despeje a água numa xícara contendo as folhas secas da espinheira santa. Deixe amornar de 5 a 10 minutos. Coe e beba.

Contra Indicações

É importante que mulheres grávidas, em processo de lactação ou em algum tipo de tratamento contra a infertilidade, não façam consumo algum da planta. Ela possui efeito abortivo e diminui a produção do leite materno.

Por causa da ação estrogênica, as pessoas que são portadoras de doenças causadas por instabilidade hormonal, como o câncer de mama, não devem fazer o consumo da espinheira santa.

Outra contra indicação é para o consumo de crianças menores de 6 anos. Não existem estudos que indicam os efeitos e reações em crianças até essa idade, por conta disso, a recomendação é que não haja a ingestão desse grupo.

Cuidado com a adulteração!

Infelizmente é comum encontrar nos mercados informais uma adulteração da espinheira santa. Ao invés de comprar a Maytenus Ilicifolia, alguns comerciantes apresentam outra planta, a Sorocea Bomplandii.

Essa planta possui ações antiulcerogênicas que parecem com a espinheira santa, já que ela tem flavonoides. No entanto, a toxicidade crônica da Sorocea não foi investigada a fundo.

Quem consome a Sorocea Bomplandii achando que é a Maytenus Ilicifolia, a espinheira santa, fica automaticamente exposto aos riscos dos seus efeitos totalmente desconhecidos.

Por isso é importante que também haja cuidado na hora de comprar o chá já pronto. O problema de adulteração também acontece nesse caso. O correto é verificar os ingredientes e compostos do chá e preferir fazer a compra de produtos que são atestados pela Anvisa.

Cuidado! Verifique a origem do produto. Prefira comprar em lugares que tem uma história e que possuem maior credibilidade. É a sua saúde que está em jogo.

Benefícios do consumo

Por conta dos diversos nomes que essa planta tem por aí, já dá pra se ter uma ideia do tamanho de benefícios que ela pode proporcionar.

Espinheira-divina, salva-vidas e espinho-de-deus, são só alguns que fazem referência direta ao seu poder milagroso contra diversos problemas de saúde.

Ela é boa contra azia, queimação, dor de estômago, gastrite, úlcera, refluxo, alivia gases e até combate o H Pilore. Veja abaixo todos os efeitos positivos que são produzidos pelo consumo da espinheira santa:

  • Elimina gases: Nas suas propriedades há taninos que paralisam as fermentações gastrintestinais, além de ser carminativa;
  • Dor de estômago: Por evitar as secreções dos ácidos gástricos, a espinheira santa combate as dores estomacais;
  • Previne Úlceras: Os taninos são cicatrizantes e possuem ação efetiva contra lesões ulcerosas. Além do mais, o controle dos ácidos gástricos também colabora na prevenção das úlceras;
  • Ação contra gastrites: Com a diminuição dos ácidos gástricos pelas células do estômago, a gastrite é efetivamente contra atacada;
  • Diurético: Os triterpenos, que estão presentes na espinheira santa, são compostos bioativos que possuem ação diurética, o que ajuda também no processo de emagrecimento;
  • Trânsito intestinal: Por conta da mucilagem o trânsito intestinal é beneficiado e passa a funcionar com normalidade;
  • Evita tumores: Os triterpenos, que tem ação diurética, são também antitumorais. O consumo da espinheira santa evita o aparecimento de tumores malignos, mas se você já tem algum tipo de tumor é necessário conversar com o seu médico antes de começar a ingerir o chá ou a cápsula da planta.

Gostou desse artigo? Dê seu voto!

Péssimo! Não gostei de nada!Ruim!Gostei, ta na média!Muito bom!Excelente! (No Ratings Yet)
Loading...