Dexametasona: Ação anti-inflamatória e Antialérgica

Conhecida também como Decranol e Decadronal, a Dexametasona, está presente no grupo dos corticoreoides, e é muito comum no tratamento de infecções, inflamações e alergias. Para o tratamento de alergia ela pode ser encontrada em diferentes formas: pomada, colírio, injetável, comprimido e creme.

É recomendada para o tratamento de diversas doenças de distúrbios reumáticos, artríticos, cutâneos, oculares, glandulares, sanguíneos, pulmonares e gastrintestinais. A dexametasona é um glicorticoide sintético que tem efeitos fortes como anti-inflamatório, mas ainda assim, o seu efeito no metabolismo eletrolítico é muito baixo.

Este medicamento também pode ser utilizado no tratamento de edemas cerebrais, sinusite, rinite e outras doenças. Seu preço vai variar de acordo com a farmácia e com o laboratório que o manipula. Você pode encontrar a dexametasona tanto de R$4 quanto de R$20.

Contraindicações

Antes de passar a consumir qualquer tipo de medicação é preciso verificar quais são as suas contraindicações, para saber se há algum ponto no qual você se encaixa. Com isso você evitará que a ingestão do remédio te faça mal.

Por isso é tão importante (e a gente fala o tempo inteiro) não se automedicar. Procure um médico, faça os exames e a partir daí ele te passará o melhor tratamento para o seu caso. Siga suas recomendações e com certeza logo estará saudável de novo.


No caso da dexametasona, são poucos os pontos de contraindicação:

  • No caso de infecções fúngicas sistêmicas;
  • Quando o paciente tem hipersensibilidade a sulfitos ou a qualquer outro componente presente no medicamento;
  • No caso de administração de vacinas de vírus vivo.

Gestação e amamentação

Essas duas situações precisam de uma atenção especial. Não existem estudos sobre os efeitos que a dexametasona pode causar quando uma mãe está gerando o seu filho. Apesar de já se falar de má formação do bebê no útero, ainda não foi comprovado que o motivo foi o uso deste medicamento.

Por isso é importante que o seu (ou sua) obstetra avalie seu caso antes de prescrever esse tratamento, para ter ciência dos possíveis riscos em contrapartida aos benefícios que pode causar.

No entanto, por se tratar de um medicamento a base de corticosteroides, na etapa da amamentação, as substâncias irão passar para o leite que a criança irá consumir e isso pode causar um retardamento no crescimento no bebê, alteração na produção de endógene e de corticosteroides. É possível o surgimento de outros problemas.

Este medicamento não deve ser ingerido, ou usado como tratamento de nenhum problema de saúde da mulher enquanto ela estiver no processo de amamentação. Caso isso não seja respeitado, o recém-nascido estará exposto a passar por problemas de desenvolvimento.

Precauções no uso da dexametasona

Ao fazer tratamento com o uso da dexametasona, existe algumas precauções que é preciso tomar para garantir uma melhor eficácia do tratamento e evitar qualquer complicação durante este período.

É importante que haja um aconselhamento com o seu médico. Tire todas as dúvidas do que pode ou não fazer enquanto consome este remédio. Listamos abaixo algumas precauções importantes, mas existem outras que só um especialista poderá recomendar:

  • Evite o consumo de álcool durante o tratamento;
  • Utilize a dose mais baixa do corticosteroide;
  • Não tome, no período de tratamento, nenhum tipo de vacina de vírus vivo;
  • Evite o consumo excessivo de alimentos com muito sal e suplementação de potássio.

Efeitos colaterais

Se você passar a ter o hábito de ler a bula de cada remédio que toma, principalmente dos que já tem o costume de consumir sem muita preocupação, ficará surpreso como todos eles possuem efeitos colaterais.

No caso da dexametasona, não é diferente. O uso frequente do medicamento pode causar alguns efeitos desconfortáveis, alguns até graves. Confira abaixo alguns dos efeitos colaterais que ele pode proporcionar:

dexametasona

  • Ganho de peso;
  • Doenças Cutâneas;
  • Desenvolvimento de sensibilidade a infecções;
  • Pressão alta;
  • Retenção de líquido;
  • Aumento de apetite;
  • Inchaço nos lábios ou na língua;
  • Níveis de açúcar elevados, no sangue;
  • Fraqueza muscular;
  • Irregularidades menstruais;
  • Dificuldade para uma boa cicatrização de feridas.

Dosagem

Não se deve fazer uso deste medicamento sem orientação médica. É importante que o tratamento seja feito mediante orientações de um especialista que irá indicar a dosagem correta para cada caso.

As necessidades que o corpo de cada indivíduo tem, mediante algum problema de saúde, são variáveis e individuais, e é medido de acordo com a gravidade da doença e com a reação do corpo.

A dexametasona não substitui a terapia tradicional, ela vai auxiliar no tratamento com seu efeito anti-inflamatório (ou antialérgico). Se for mantida por muitos dias é importante que a dosagem vá diminuindo.

Em casos de urgência, onde é necessário alívio imediato, é possível utilizar doses maiores, mas quando os sintomas estiverem amenizando é importante fazer a ingestão de doses menores, para que não cause nenhum efeito hormonal ou de outra natureza.

A dose inicial poderá variar de 0,75 a 15 mg por dia, mas isso vai depender exclusivamente da doença que está sendo tratada. No caso de lactantes e crianças as doses serão bem reduzidas (mesmo que se prefira dosar pela enfermidade do que pela idade ou condição atual).

Se por acaso for prescrito um tratamento longo, é vital que sejam feitos exames clínicos, em intervalos regulares. É recomendado também determinações periódicas de potássio sérico.

Superdosagem

Em casos de um tratamento longo com corticosteroides, em doses maiores, algumas consequências insatisfatórias podem surgir. Listamos abaixo alguns dos efeitos tóxicos que medicamentos desse tipo podem causar:

  • Distúrbios comportamentais;
  • Miopatia;
  • Convulsões;
  • Catarata;
  • Glaucoma;
  • Disritmias;
  • Osteoporose;
  • Agravamento de pancreatite;
  • Enfarte do miocárdio;
  • Morte súbita.

No entanto, não existem muitos casos de pessoas que tiveram problemas mais sérios (que levem ao óbito) por conta da ingestão de uma dose excessiva da dexametasona. É muito raro que uma superdosagem deste medicamento cause problemas mais sérios, mesmo não havendo um antídoto específico.

Ainda assim, caso ocorra a ingestão de uma dose excessiva é aconselhado que o paciente se dirija imediatamente ao pronto socorro mais próximo, portando do medicamento ou da sua bula, e informando a quantidade consumida e o horário que isso ocorreu.