Cisto sebáceo


Se algum dia surgir um caroço estranho sob a sua pele, não se assuste! É apenas um cisto sebáceo. Essa lesão surge quando há um acúmulo de conteúdo cístico nas glândulas sebáceas, próximo ao folículo piloso, localizado na epiderme ou na derme. Isso acontece devido a uma obstrução do folículo ou por causa de um trauma.

A substância que gera o cisto sebáceo também é conhecida como sebum – conteúdo branco, semissólido e de odor forte. O cisto tem formato arredondado, de poucos centímetros e pode emergir em qualquer região do corpo. Normalmente é macio quando você o toca e pode se mover.

A lesão não provoca dor, entretanto o cisto sebáceo inflamado pode deixar o local afetado avermelhado e sensível. Em alguns casos a pessoa sente dor, um aumento de temperatura na região, necessitando de cuidados médicos. Muito provável que o dermatologista recomende uma microcirurgia para remover o problema.

Também caracterizado como lipoma, um tipo de tumor benigno, as células de gorduras podem ser removidas com lipoaspiração.

Quais os lugares mais comuns do cisto sebáceo?

Diversas partes do corpo estão sujeitas a desenvolver o cisto sebáceo. Entre elas vale destacar:

  • Face – bochecha, pálpebra do olho, atrás do lóbulo da orelha, testa, nariz e queixo;
  • Costas;
  • Braço;
  • Tórax;
  • Pescoço e área occipital – confundido com um linfonodo inchado;
  • Área genital ou na virilha;
  • E nas nádegas.

Tipos de cistos

Cisto sebáceo

Na classificação dos cistos, podemos encontrar em diferentes instâncias. O epidérmico (também denominado epidermoide), se forma na epiderme, ou seja, na parte superior da pele.

O cisto pilar deriva-se das células semelhantes ao inferior do folículo piloso. Nesses dois casos, o líquido encontrado no espaço é composto principalmente de queratina e é bem parecido com pasta de dente.

O cisto do pulso tem um líquido sinovial, transparente e viscoso dos alvéolos articulares e bainhas dos tendões. Por essa razão não deve ser confundido com o cisto sebáceo.

Os cistos inflamados possuem inchaço, vermelhidão e por consequência, dor. Já o cisto infectado vem de uma infecção bacteriana (estafilococos ou estreptococos) e conta com pus dentro.

As maiores causas do cisto sebáceo

Proliferação celular descontroladas das células podem ser um, dos vários motivos que podem causar a lesão. Outras opções são danos aos folículos pilosos – lesões, abrasões ou feridas cirúrgicas que chegam a bloquear as células superficiais.

O rompimento de uma glândula sebácea também ocasiona o cisto. A função das glândulas é produzir o óleo que lubrifica a pele e reveste cada cabelo. Eles passam a quebrar com mais frequência devido as inflamações da pele e incentiva a proliferação dos cistos epidermoides.

O cisto sebáceo também pode afetar crianças. Em algumas situações são hereditários, ou seja, indivíduos com síndrome de Gardner – desordem genética rara que causas tumores no colón – estarão mais aptos a desenvolverem a lesão.

Importante notar que os cistos não têm nada a ver com má alimentação.

Pessoas que sofrem de hidrosadenite supurativa, doença inflamatória crônica, tem tendências a sofrerem com cravos, cistos e abscessos em algumas áreas do corpo como virilha e axilas, locais que abrigam as glândulas sudoríparas apócrinas. Esse tipo de doença pode causar dor crônica e perda de pus das bolhas, deixando a pessoa debilitada em termos psicológicos, sociais e físicos.

O tratamento para hidrosadenite inclui alterações na alimentação, estilo de vida e procedimentos médicos e cirúrgicos.

Fatores de risco

Toda e qualquer pessoa, em qualquer idade pode desenvolver um cisto sebáceo. Entretanto existem algumas épocas e fatores que podem contribuir para essa possibilidade ser ainda maior.

Antes da puberdade, poucos terão cistos epidermoides e as incidências no sexo masculino são maiores. Pessoas com histórico de acnes também têm precedentes mais frequentes de cistos.

Excesso de exposição solar, indivíduos que tiveram queimaduras solares ou queimaduras, têm uma tendência maior ao cisto.

Lesões traumática ou esmagamento da pele aumenta o risco de epidermoide. Um exemplo clássico é quando uma pessoa tem a mão esmagada na porta de um carro.

O cisto sebáceo não é perigoso e raramente está associado ao câncer de pele – também conhecido como melanoma. Eles são compostos de líquido branco de queratina, substância encontrada nas unhas e pele, sendo inofensivo a saúde.

Eles não causam coceiras, apenas quando a pessoa deixa chegar num estágio bem avançado. Geralmente ele só será considerado anormal ou maligno se o seu tamanho for superior a cinco centímetros, sinais de infecção (vermelhidão, dor e pus) e se surgiu alguma recorrência depois de ser extraído.

Você pode tentar tirar por conta própria o cisto epidermoide, porém não é uma ideia a se pensar, pois se tiver um cisto infectado e ele estourar sem você tomar as medicações necessárias, a infecção pode se multiplicar. Procure ajuda médica! Só um profissional capacitado saberá qual o melhor intermédio para deter o cisto e o seu crescimento.

Como saber se o que tenho é um cisto sebáceo?

Normalmente os cistos são diagnosticados após um simples exame físico. Se o médico achar algo incomum, ele irá prescrever exames para avaliar qualquer possibilidade de tumor. Entre as avaliações mais comuns estão:

  • Tomografia computadorizada – para achar o melhor caminho para avaliar as anomalias;
  • Ultrassonografia – para ver o conteúdo do cisto;
  • E por último uma biópsia – uma pequena remoção do tecido para reconhecer e descartar a possibilidade de câncer.

Tratamentos naturais para cisto sebáceo

Buscar auxilio em produtos naturais muitas vezes podem representar bons resultados, sem causar efeitos colaterais. Vale lembrar que se a sua incidência for grande, a melhor opção é procurar uma avaliação médica.

Fazer compressas mornas podem gerar melhorias. Comprimir o local com um calor úmido facilita a drenagem e a cura do cisto. Atente-se para a temperatura: se usar algo muito quente pode dar margem a proliferação e multiplicação da bactéria, caminhando para desenvolver um cisto infeccioso.

A famosa aloe vera é extremamente recomendada para diversos tratamentos. Entre eles está o do cisto. O gel extraído da planta pode aliviar a dor e combater a bactéria. Estudiosos afirmam que a aloe vera promove a cura com o extermínio das bactérias.

Substâncias nutritivas que potencializam o sistema imunológico. Um organismo forte, combate sozinho qualquer agente infeccioso. Frutas com poder oxidantes, as mais cítricas, legumes, cereais integrais e vegetais com as folhas mais verdes, são considerados anti-inflamatórios naturais.

Chá de trevo vermelho e raiz de bardana são excelentes para eliminar as toxinas do corpo e aumentar as defesas do sistema imunológico.

Óleo de tea-tree contém propriedade anti-inflamatórias e antibacterianas. A aplicação do óleo no cisto sebáceo ajuda a prevenir infecções e a curar o local.

E para finalizar, o melhor remédio para evitar que o cisto sebáceo se torne infeccioso, é a limpeza. Procure utilizar um sabonete com ação antibacteriana. O resultado de um tratamento simples pode controlar o problema e ser resolvido sem a necessidade de um procedimento cirúrgico.


Gostou desse artigo? Dê seu voto!

Péssimo! Não gostei de nada!Ruim!Gostei, ta na média!Muito bom!Excelente! (39 votes, average: 4,26 out of 5)
Loading...